Texto

     Aquele que crê possuir a verdade erra em não se preocupar em procurá-la.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Eis o fundamento da postagem

Eis abaixo a matéria de O Diário que dá fundamento á postagem do blog que está gerando polêmica.

De O Diário:

Líder comunitária é suspeita de atentado à Câmara de Sarandi

A Polícia Civil de Sarandi já tem pistas para esclarecer a autoria de um atentado a tiros praticado no início da madrugada de ontem (25/11) contra a Câmara Municipal. Uma testemunha – cujo nome está sendo mantido em sigilo – garante ter reconhecido a mulher que estava acompanhando os atiradores.

"A testemunha nos contou que a mulher estaria ligada a movimentos sociais e políticos na cidade", contou o superintendente da Delegacia de Sarandi, investigador Carlos de Oliveira, que agora se esforça para localizar o endereço da suspeita.

O atentado aconteceu por volta de 0h20, depois que um Omega escuro, ocupado por três pessoas, parou em frente ao prédio. Um dos ocupantes, que usava capacete de motoqueiro, desceu do veículo de arma em punho e efetuou uma série de disparos contra o prédio.

Os tiros destruíram várias janelas e a porta principal, que é de vidro. Não havia ninguém no interior do prédio. Minutos após o trio deixar o local, a Polícia Militar (PM) apareceu e encontrou 15 estojos deflagrados de calibre 9 mm jogados na rua.

Segundo a Polícia Civil, um policial militar aposentado, que reside ao lado da Câmara Municipal, presenciou parte do ataque. Em depoimento, o policial, de 58 anos, contou que correu para a rua após ouvir os primeiros estampidos.

Ele confirmou ter visto o atirador usando capacete e embarcando em um veículo Omega, ocupado por um casal. Apesar de ter trabalhado durante vários anos em Sarandi, o policial disse que não conseguiu reconhecer os suspeitos.

O prédio da Câmara Municipal de Sarandi foi interditado para que peritos da Polícia Científica pudessem fazer os levantamentos dos estragos.

Vereadores e funcionários confirmaram que o prédio não dispõe de câmeras de vigilância, o que levou a polícia a procurar empresas próximas em busca de imagens. "Vamos verificar agora se algum estabelecimento tem imagens que possam nos ajudar", disse o investigador Fabiano Murbach. Leia mais...

0 Comentários: